sábado, 25 de novembro de 2017

O EXCELENTE CONVITE – MT. 11.28-30


                                     Resultado de imagem para convite
O EXCELENTE CONVITE – MT. 11.28-30
INTRODUÇÃO:
Há diversos tipos de convites:
Há convites que nos interessa, e outros que não nos interessam;
Há convites que nos deixam pensativos, outros que não;
Há os que nos esforçamos para atender; outros há, que nem damos importância;
De que maneira você recebe e ver o convite de Jesus?
Deus ao longo da história, tem feito convites ao homem. A Bíblia apresenta o nosso Deus como o Deus de convites. Ele mesmo se revela como o Deus, que gosta de convidar o homem para participar das coisas que ele tem a oferecer.
- Em Isaias 55.1-3 – ele convida aos que tem sede e fome, para de graça beber e comer.
“Ó VÓS, todos os que tendes sede, vinde às águas, e os que não tendes dinheiro, vinde, comprai, e comei; sim, vinde, comprai, sem dinheiro e sem preço, vinho e leite. Por que gastais o dinheiro naquilo que não é pão? E o produto do vosso trabalho naquilo que não pode satisfazer? Ouvi-me atentamente, e comei o que é bom, e a vossa alma se deleite com a gordura. Inclinai os vossos ouvidos, e vinde a mim; ouvi, e a vossa alma viverá; porque convosco farei uma aliança perpétua, dando-vos as firmes beneficências de Davi.”
- Em Mc 6.31 – Ele convida ao descanso.
“E ele disse-lhes: Vinde vós, aqui à parte, a um lugar deserto, e repousai um pouco. Porque havia muitos que iam e vinham, e não tinham tempo para comer.”
- Em Lc 14.17 – Ele nos convida a ceiar com ele.
“E à hora da ceia mandou o seu servo dizer aos convidados: Vinde, que já tudo está preparado;”
- Em Ap 19.17 – Ele nos convida a Ceia do grande Deus
“E vi um anjo que estava no sol, e clamou com grande voz, dizendo a todas as aves que voavam pelo meio do céu: Vinde, e ajuntai-vos à ceia do grande Deus;”

Nesse texto apresentado por Mateus, Jesus faz um excelente convite.
É um convite ao discipulado. Ele nos convida a viver um relacionamento consigo mesmo: “Vinde a mim...”
Considerando este texto, procuremos analisar a partir de três perguntas, as quais mostram a excelência do convite de Jesus:
1.   Quem são os convidados?
2.   O que está sendo oferecido aos convidados?
3.   Quais benefícios da oferta oferecida?
Essas três perguntas, determinam a qualidade de qualquer convite.

1)  QUEM SÃO OS CONVIDADOS?
Quando alguém faz uma festa, quem são as pessoas convidadas? Normalmente, se convida aquelas pessoas mais próximas, mais chegadas, convidamos pessoas que consideramos importantes em nossa vida.
Em se tratando do convite de Jesus, quais são os seus convidados?


·         Todos somos convidados por ele: Independente de qualquer fator discriminatório; seja homem, mulher, rico ou pobre, branco ou negro, todos são convidados. Jesus não descrimina ninguém, não rejeita ninguém.
·         Mais existem dois tipos de pessoas, que Jesus enfatiza no seu convite: Os cansados e Oprimidos.
Que significa isso? Há três aspectos a serem considerados aqui:
a) os sofriam com peso das obrigações das leis impostas pelos escribas e fariseus da época.
b) os que sentiam-se desprezados, a margem da sociedade,
c) os que sentiam-se casados pelo peso dos pecados,
Jesus convida a todos, a virem a ele, para serem livres.
Esse aliviarei de Jesus, não é só um paliativo.
Quando Jesus afirma “eu vos aliviarei” Ele está se identificando com as pessoas, com os problemas das pessoas, ele está se apresentando como sendo a nossa Esperança.

2)  O QUE ESTÁ SENDO OFERECIDO AOS CONVIDADOS?
O senhor Jesus nos convida a três coisas distintas:
a)  A tomar o seu jugo. “Tomai sobre vós o meu jugo...”
Os ouvintes ali, estavam acostumados com o jugo da lei, o jugo que era imposto pelos líderes religiosos, e políticos da época. Um jugo pesado. Agora, eles ouvem Jesus oferecendo-lhes um jugo deferente, jugo suave, um fardo leve. Essas palavras soaram nos seus ouvidos, como um manancial em meio ao deserto, eles estavam ouvindo uma palavra de esperança.
b)  A aprender dele. “Aprendei de mim...”
Jesus dessa forma, atribui a si mesmo o papel de sabedoria (11.19)
“Veio o Filho do homem, comendo e bebendo, e dizem: Eis aí um homem comilão e beberrão, amigo dos publicanos e pecadores. Mas a sabedoria é justificada por seus filhos.
Sendo ele a máxima da sabedoria, pode então dizer com autoridade: ”Aprendei de mim, pois sou manso e humilde de coração...”

3)  QUAIS OS BENEFICIOS DA OFERTA OFERECIDA?
·         Porque devemos aceitar o convite de Jesus?
Ele responde:
- O meu jugo é suave.
- O meu fardo é leve.
- Sou manso e humilde de coração.
·         Jesus não diz que devemos aceitar o seu convite pelos benefícios que recebemos dele. Devemos aceitar o convite de Jesus não só pelo que ele nos oferecer, mais pelo que ele é. Pelo que ele representa em nossas vidas. Tem pessoas que querem vir a Jesus, do mesmo modo que vão pra uma festa.
·         Algumas pessoas quando são convidadas, para uma festa, pensam logo: Vai ter bolo? vai ter lembrancinhas? As pessoas vão pelo que lhes é oferecido na festa, e não pelo dono da festa.


E muitos também pensam assim: se eu for a Jesus, ele vai me curar, será que vou conseguir o meu emprego? Será que vou conseguir a minha casa própria? Querem a benção, e rejeitam o abençoador.

Jesus aqui nos ensina que devemos aceitar o seu convite, pelo valor e importância que ele tem para cada um de nós.
Ele nos oferece algo sim. Ele diz: “...E encontrareis descanso para as vossas almas!”
Jesus, tanto tem convite como tem promessa. E quando promete descanso, ele está prometendo transformação.
Eu aprendo nesse texto, que Jesus convida a todos; todos podem vir a ele, sem receio, sem medo de ser rejeitado.  
Eu aprendo também, que ao virmos a Jesus, somos por Ele trabalhados, lapidados, somos por ele transformados. Assim, não há possibilidade de alguém está em Cristo, e manter as características do mundo. Em Cristo Jesus somos novas criaturas; isto significa nova vida, novas atitudes.

Conclusão:
O convite de Jesus, é excelente. Porque está aberto a todos sem acepção de pessoas.
É excelente, porque o que Jesus oferece, é algo especial, ele é manso e humilde de coração. Ele oferece esperança, em meio a tantos dissabores da vida.

E suas promessas a todos que o aceita, é de transformação, de vida nova, esperança da vida eterna.

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

REVELAÇÃO. A REVELAÇÃO DE CRISTO


REVELAÇÃO. A REVELAÇÃO DE CRISTO
Jo. 14.9,10; 2 Co 4.6

Introdução:
Felipe conhecia a Jesus, mas lhes faltava um entendimento maior, uma revelação clara do Pai. Paulo vai dizer aos coríntios, que o nosso Deus que colocou luz nas trevas do universo, ele mesmo resplandeceu em nossos corações, para iluminação do conhecimento da glória de Deus na face de Cristo.  O que podemos aprender aqui, é que a questão básica da vida, não está em uma  declaração teórica da fé, ou num conceito religioso, mais está em uma pessoa e esta pessoa é Jesus. Deus mesmo resplandeceu em nossos corações para iluminação de sua glória, e onde ele se revelou? na face de Cristo.
Normalmente, quando pensamos em revelação, nos vem à mente, “algum fato, ou alguma coisa antes desconhecida, mas que se tornou conhecida ou compreendida. Mas a revelação de Cristo, em nossos corações, é algo mais profundo.
A revelação de Cristo ocorre muitas vezes, quando uma verdade de Cristo já conhecida em nosso intelecto é iluminado diante de nossos olhos e passamos a conhece-la de uma forma pessoal e experimental o que foi conhecido mentalmente, agora o conhecemos de forma experimental.

I.             A revelação de Cristo, cativa as pessoas. (Mt. 4.18-22)
Quando Jesus encontra-se com Pedro e André o seu irmão, eles estavam pescando e Jesus faz um chamado no mínimo inusitado.
- vinde a pós mim, segue-me
- mas e o barco e as redes Senhor?
- deixem tudo aí e siga-me:
- e o que vamos fazer?
- eu vou ensinar a vocês um outro tipo de pescaria.
- como? Nós conhecemos todo tipo de pesca dessa região, e tu és um carpinteiro, nunca o vimos pescando...
- já disse que é outro tipo de pesca. Eu vou transformar vocês, em pescadores de homens!
Meus amados, imagino os discípulos olhando um para o outro com a cabeça cheia de interrogações; mais ele foram atraídos por Jesus. Eles ficaram encantados por essa nova revelação de Jesus.

II.           A revelação de Cristo é crescente.
É por isso, que o profeta Oseias, muito tempo antes de Cristo, já dizia conheçamos e prossigamos em conhecer ao Senhor (6.3)  o conhecimento pessoal é dinâmico. Assim como no relacionamento conjugal, quanto mais vai passando os dias, o relacionamento vai se tornando mais intimo e a cada dia mais vamos conhecendo o nosso cônjuge, assim é o relacionamento com Cristo.
Quanto mais nos aproximamos dEle, mais o conhecemos. Porque ele próprio vai se revelando de forma crescente. A diferença é que com Jesus, o relacionamento é inteiramente espiritual e depende de fatores espirituais.

III.          Como obter essa revelação de Cristo?
Nas escrituras amados, há dois aspectos aparentemente opostos, mais que andam juntos. Se por um lado a revelação de Cristo, é soberana, por outro lado requer a nossa cooperação.
Vejamos: Pedro recebeu a revelação de Cristo, porém Judas mesmo andando com Jesus, não a recebeu. Um ladrão na cruz, nos últimos instantes de sua vida teve a revelação de Cristo, e outro não. Jesus, disse que ninguém poderia vir a ele, se não fosse concedido pelo pai. Paulo pregando em Filipos, para um grupo de mulheres, o Senhor abriu o coração de Lídia para entender as coisas de Deus, e não abriu o entendimento das outras, que estavam presentes. Porque isso, porque ele em sua soberania, se revela quando quer, a quem ele quer e como ele quer.
Há amados duas chaves para se obter a revelação de Cristo:
1.   Sendo pequeninos. Está é a chave este é o segredo.
Jesus orando ao Pai, disse: “graças te dou ó pai, Senhor dos céus e da terra, porque ocultaste essas coisas os sábios e entendidos e as revelastes aos pequeninos” (Mt 11. 25).
Esta é a primeira chave. Se queremos receber de Deus uma maior revelação, queremos conhecer mais ao Senhor, precisamos ser pequenos. Como é ser pequeno Pastor?
Ser pequeno é o contrário do sábio e entendido, aquele “sabichão” isso não significa que devemos ser ignorantes e iletrados. Isto não está relacionado ao intelecto, mais ao coração. Como disse o João, “Importa que ele cresça e que eu diminua”

2.   Olhando para Jesus. Aqui está a segunda chave.
“Olhando firmemente para o autor e consumador da nossa fé” (Heb. 12.2) em nenhum lugar das escrituras manda que olhemos para o irmão, se fosse estaríamos terrivelmente reprovados, e condenados ao inferno. Também, não manda que olhemos para o pai, ou para o Espirito Santo.
A função do Espirito Santo é convencer o homem dos seus pecados e os conduzir àquele que pode resgatar, regenerar e salvar. Portanto, se você deseja verdadeiramente conhecer a Cristo, não tem outra alternativa se não a de se render humildemente a Jesus e se entregar plenamente a ele, recebendo-o como Senhor e salvador da sua alma.

Conclusão:
A revelação de Cristo, cativa as pessoas. A revelação de Cristo, é crescente, e para obtermos essa revelação só precisamos, descer do nosso pedestal de honra, sermos pequenos, para que ele cresça e olhar somente para Jesus. 

Finalizo esta mensagem, dizendo, tome a sua decisão hoje, você não sabe o dia de amanhã. (A morte do Pr. ) a única decisão que define a tua vida na eternidade, é a decisão por Cristo. Portanto, não deixe para depois. ...

QUATRO ARMADILHAS DA MENTE



QUATRO ARMADILHAS DA MENTE HUMANA – (Pv. 16.3)
“Consagre ao Senhor tudo o que você faz, e os seus planos serão bem-sucedidos”.

Introdução:
Há  um livro de Dr. Augusto Cury: O Código da Inteligência, que fala de há algumas coisas que criamos em nossas mentes que nos dificulta a crescer em diversas áreas de nossas vidas. Dentre essas coisas ele destaca quatro, as quais chama de: “Quatro armadilhas” que a nossa mente estão sujeitas a cair.
Ao leu sobre essas armadilhas, fiquei a pensar o que diz a Bíblia sobre isso? O que nós cristãos podemos fazer para evitar de nos transformarmos em vítimas de nossa própria mente, ou seja o que podemos fazer para evitar de cair nessas armadilhas?
Antes de mais nada precisamos entender que não há um só ser humano que mesmo em sua lucidez, não reaja com certa estupidez, também não há ninguém por mais tranquilo que sejam que não tenha momentos de desespero.
Precisamos ter consciência que mesmo sendo cristãos, fieis ao Senhor, ainda assim somos humanos, imperfeitos, vivendo numa sociedade de pessoas imperfeitas. E por isso precisamos levar a sério os ensinos da Palavra de Deus, e mais precisamos conhecer nossos limites, nossas fraquezas, enfim precisamos conhecer as quatro armadilhas da mente, e o que diz a Bíblia sobre cada uma.
1ª armadilha da mente humana: O conformismo. 

O Conformismo é a arte de se acomodar, de não reagir e de aceitar passivamente as dificuldades psíquicas, os eventos sociais e as barreiras físicas;
A pessoa conformista acredita que todos os eventos da vida ocorrem por conta do destino e que elas estão pré-destinadas a passar por isso. Elas vivem e se aprisionam no passado.
Veja o que Paulo nos orienta, em sua carta aos Romanos, 12.1,2: “Não vos conformeis com este mundo, mais transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus”.
Há nesse texto duas palavras chaves para entendermos esse assunto:
- “Não vos conformeis” – o que nos sugere amados que não devemos ficar parados estacionados no tempo, conformados com a situação que nos cerca. Somos orientados a ter uma vida ativa, em movimento.
- “Transformai-vos” – isso sugere que devemos estar sempre em mudança. Vivendo em novidade de vida.
Não devemos ficar parados, como mero expectadores da vida. Assistindo passivamente, o desenrolar da história. Em meio a uma tempestade, existe sempre uma oportunidade, uma razão e um aprendizado. Nunca devemos olhar os problemas que aparecem em nossa frente, como calamidades mais como oportunidade para o nosso crescimento, e amadurecimento. “O seu maior problema não é o que as pessoas fazem com você, e sim o que você faz com o  que elas te fazem.”

2ª armadilha da mente humana: O coitadismo. 
O Coitadismo é a arte de ter compaixão de si mesmo. Pessoas que caem nessa armadilha, são grandes vendedores; vendem suas crenças limitantes, são pessoas que não tem vergonha em dizer, por exemplo, que é derrotado. É aquela pessoa que vive dizendo que os problemas não têm solução, que é um incompetente, que as pessoas não gostam dele e por ai vai…
Geralmente são pessoas com grande potencial, mas que por causa dessas atitudes jogam tudo no lixo as oportunidades. Porque acreditam verdadeiramente que são derrotadas incorporando um papel dramático e punitivo. Essa é a pior violência com si mesmo.
Temos alguns exemplos desse tipo de pessoas na Bíblia:
- Jeremias – achava-se uma criança incapaz de realizar a vontade de Deus (Jr.1.4-8)
- Gideão – achava-se um derrotado, impotente, incapaz, de livrar Israel da mão dos medianitas (Jz 6.1,11-16)
Como Jeremias e Gideão, há muitos outros que revelaram-se com esse problema; mais a todos Deus tem sempre uma palavra de encorajamento

3ª armadilha da mente humana: O medo de reconhecer os erros.

É, acima de tudo, o medo de se assumir como um ser humano com suas imperfeições, defeitos, fragilidades, incoerências. Formamos nossa personalidade em uma sociedade superficial que esconde nossa humanidade e supervaloriza nosso endeusamento. Uma sociedade onde supervalorizamos algumas poucas pessoas, do tipo super-heróis e desvalorizamos a maioria.
Temos vários exemplos nas escrituras, de pessoas que viveram essa realidade. Vou citar dois:
- A mulher samaritana – essa mulher viveu, a maior parte de sua vida, na prostituição. (Jo 4. 16-18) Em um diálogo com Jesus, ele diz a mulher: “chama o teu marido”; ela prontamente respondeu “não tenho marido” então disse Jesus: “dissestes bem. Pois tivestes cinco e o que tendes ainda não é o teu marido. Isto dissestes com verdade!” aquela mulher apesar de seus erros, ela não ficou escondida por traz de uma falsa religiosidade. Ela declarou: eu não tenho marido.
Com essa declaração, ela estava de fato afirmando o se estado de pecadora, ela estava de fato, assumindo, a condição de uma mulher adultera, pois convivera com 5 homens, e o que estava agora ainda não era o seu marido. Mais em Cristo, com Cristo e por Cristo, ela foi transformada.
- Zaquel – (Lc 19. 5, 7-9). tinha problema de relacionamento, era uma pessoa rejeitada pelas pessoas na sociedade, tinha erros gravíssimos como o de defraudar o dinheiro publico, por isso as pessoas o odiavam. Certo dia, ao encontrar-se Jesus, Jesus disse: “olha hoje convém me hospedar em tua casa”, as pessoas quando o ouviram dizer isso, questionaram: “que homem é esse que (se diz filho de Deus, mais) vai se hospedar na casa de um homem pecador!” é amados, as pessoas não gostavam mesmo de Zaquel.
Mais esse homem, foi transformado por Jesus, e não se deixou tomar pelo medo de reconhecer os seus erros, e melhor ainda ele não teve medo de assumir e procurar concertar a sua vida. Em  resposta a atitude corajosa de Zaquel, Jesus declarou: “hoje veio a salvação a essa casa...” 

4ª armadilha da mente humana: O medo de correr riscos.

"Esta" bloqueia a inventividade, a liberdade, a ousadia. Há inúmeras pessoas que travaram sua inteligência e enterraram seus talentos e projetos de vida pelo medo de correr riscos."
Não conseguem se realizar, porque não conseguem avançar. Vivem marcando passo a vida inteira, preferem viver conformados com a situação do momento, a aventurar no desconhecido, e avançar em direção ao infinito.
O cristão não pode viver assim. O Deus que servimos, é poderoso, é insondável, inigualável, ele mesmo afirma, que está conosco sempre. Portanto, precisamos lança fora todo o medo, e ser destemido, corajosos prontos para lutar e vencer., Quem vivem no amor de Deus, não vive em temor. Pois a Bíblia diz que: “ o amor lança fora todo medo!”
Quando estavam para atravessar o rio Jordão, o povo com medo de correr o risco, Josué clama ao Senhor, e a palavra do Senhor a Josué foi: Porque clamas a mim? Diga ao povo que marchem! É isso que temos que fazer. Marchar.

Conclusão:


O  conformismo, coitadismo, medo de reconhecer tua fraqueza, medo de correr risos, são as quatro armadilha da mente, que servem para nos fazer tropeçar e cair...

sábado, 28 de janeiro de 2017

GRANDE TESTEMUNHO DE VIDA

Texto Bíblico:

"E andou Enoque com Deus; e não apareceu mais, porquanto Deus para si o tomou." - Gênesis 5:24




Introdução:
A Palavra de Deus afirma, no verso 23, que "foram todos os dias de Enoque trezentos e sessenta e cinco anos". Mais o texto não para por aqui. O verso 24, continua dizendo que: Enoque andou com Deus. 
Eu estava pensando nesse texto, e refletindo sobre quão grande foi o testemunho de Enoque. em todos os dias da sua vida, jamais se afastou de Deus. Quando a Bíblia diz que Enoque andou com Deus, significa que ele tinha um relacionamento com Deus, ele tinha intimidade com Deus. pensando nisso compartilho com você, três verdades que precisamos entender:

1- Andar com Deus, meus amados, é uma decisão. 
Enoque andou com Deus, não porque fosse forçado a isso. Ele mesmo decidiu andar com Deus. 
No mundo de tantas inversão de valores, em que cresce a cada dia, a desonestidade, o desrespeito, o desamor, a desconfiança, precisamos tomar a decisão certa. a melhor e mais importante decisão: a decisão de andar com Deus.

2- Andar com Deus, é uma escolha. 
Enoque escolheu fazer diferente. foi a sua escolha, que determinou a sua decisão. Assim como a decisão, a escolha é algo pessoal, voluntário, espontâneo. nossas escolhas hoje, determinam as nossas decisões. E nossas decisões, determinam como será o nosso amanhã. 

3- Andar com Deus é a melhor solução. 
Seja como for, independente de como vc tem vivido hoje. e dos problemas que você tem enfrentado, saiba que andar com Deus trás benefícios eternos. traz soluções eternas.
Olha qualquer outra decisão que tomarmos, tem resultados para o agora, são decisões para o momento. Mais quando decidimos, escolher o andar com Deus, isso trás resultados eternos.

Conclusão:
Deus nos abençoe e nos oriente nas decisões que venhamos a tomar. Mais sobre tudo, Deus seja prioridade em nossas escolhas e decisões.

Mulher Ágape!

Cristão Site